contato

Base Florianópolis - Santo Antônio de Lisboa
fone: 48 988113123
Prof. Marcelo Visintainer Lopes
escoladevelaoceano@gmail.com

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Próximos cursos

MARÇO

MÓDULO I - Iniciação à Vela Oceânica
(final de semana - turno tarde)
Dias: 19, 20, 26 e 27
Horário: das 14h às 18h

MÓDULO II - Iniciação à Vela Oceânica
(final de semana - turno manhã)
Dias: 19, 20, 26 e 27
Horário: das 9h às 13h

ARRAIS AMADOR
(aulas durante a semana à noite)
Dias: 21 e 22
Horário: das 19h às 23h
Pré-requisito: ter mais de 18 anos

ABRIL

AVANÇADO DE MAR - navegação costeira - Santa Catarina
Dias: 02 e 03
Horário: das 8h do sábado às 14h do domingo

MESTRE AMADOR
(aulas durante a semana à noite)
Dias: 04, 05, 06, 11 e 12
Horário: das 19h30 às 22h30
Pré-requisito: possuir a habilitação de Arrais Amador

MÓDULO I - Iniciação à Vela Oceânica
(final de semana - turno manhã)
Dias: 09, 10, 16 e 17
Horário: das 9h às 13h

MÓDULO III - Iniciação à Vela Oceânica
(final de semana - turno tarde)
Dias: 09, 10, 16 e 17
Horário: das 14h às 18h

MÓDULO IV - Iniciação à Vela Oceânica - Lagoa dos Patos
Dias: 30 de abril e 1º de maio
Horário: das 8h do sábado às 14h do domingo

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Longe de seu veleiro nas férias...

Rotinas de verão:

A pelo menos 16 verões costumo percorrer os 420 km que separam POA de Garopaba, dividindo-me entre o trabalho e a família.
Alguns anos fico um pouco mais lá e menos aqui, outros um pouco mais aqui do que lá. A família fica direto no Rosa, restando a mim a função das idas e vindas.
Este ano foi um pouco diferente do normal já que consegui permanecer muito mais tempo em Santa do que aqui.
Estive na cidade 2 vezes em janeiro, sendo que dá segunda, vim para ministrar o intensivo do módulo I.
Havíamos previsto para fevereiro um intensivo de 2 dias (12 e 13) mas a meteorologia não permitiu a confirmação do curso.
Não deu nem tempo para ficar triste, pois o fato acabou gerando a prática ininterrupta e desenfreada dos meus esportes aquáticos favoritos.
Como estamos no Rosa, que é o meio do caminho entre Garopaba e Imbituba, os dois municípios acabaram servindo como opções das práticas diárias.
Saíamos perto das 9h de casa já com o vento meio definido e aí era só escolher o local com as melhores condições que combinassem ondulação e vento.
Garopaba se manteve com mais condições nesse ano com a praia da Silveira liderando em maior número de dias com condições para o surf e stand up, seguida da Barrinha.
A Ribanceira, Ibiraquera e a praia da Vila também funcionaram bem, mas com menor número de vezes.
As pessoas costumam me perguntar se também velejo nas férias. Respondo que sim! Sempre que o vento passa dos 12 nós a pipa do kite começa a se inflar quase que sozinha. Como a nossa casa fica na beira da Lagoa de Cima, no Rosa, ao primeiro sinal de vento a pipa já está no ar, diferente do kite nas ondas, que temos que esperar a condição firmar de verdade.





O verão foi de poucos dias de vento e deu pra contar em apenas uma das mãos os dias considerados clássicos no mar.
Por sorte pratico outros esportes náuticos e quando o vento está fraco não preciso ficar sentado na areia sem fazer nada. Se está dando onda eu surfo de pranchinha. Se o mar está meio gordo eu surfo de long board, quando tem vento e onda velejo de kite no mar e quando tem onda sem vento eu as pego de stand up paddle.





Essa é minha rotina de férias verão. Mas vocês devem estar querendo saber do resto da família e se faço tudo isso sozinho, não é mesmo?
Kauli, o filho mais velho (16), pratica, coincidentemente, os mesmos esportes que eu, então está sempre comigo na água.






Mabi, nossa filha menor (14), está começando a surfar de verdade (fun board) e já faz uma certa companhia no outside nos dias menores. Rema de stand up na lagoa e não veleja de kite.





Mara, minha esposa querida, é surfista de body board das antigas e atualmente está cuidando mais das imagens. Rema de stand up na lagoa e assim como a Mabi, também não veleja de kite. Acha muita função, muito equipamento, muita linha, muito tudo!!! Mesmo assim sempre ajuda nos pousos e decolagens e ainda atua forte no setor de resgates de kite. Olha que não é pouco trabalho!
Ela é a fotógrafa oficial das trips. Registra tudo também em vídeo.





Enquanto grava faz excelentes narrativas das cenas. Tem o feeling dos cenários e dos enquadramentos. Fica na beira de praia com seu tripé nos procurando na água o dia inteiro....





Nosso retorno para Porto Alegre foi no dia 19 de fevereiro, pois o período escolar iniciaria no dia 21.
No dia seguinte à nossa chegada (domingo) o vento sudeste começou a soprar forte desde cedo e decidimos conferir a condição para o kite na prainha do Jangadeiros. Que grata surpresa: fechamos com chave de ouro o final de semana. O vento 14/18 nós, constante e pouco rajado, permitiu um velejo de respeito. Não dava pra acreditar!! Parecia um sonho....
Velejei por quase duas horas sem parar. Deu pra fazer um contra-vento até perto do navio que estava encalhado em frente à praia da Alegria em Guaíba. Vi o trabalho dos dois rebocadores que estavam tentando realizar o desencalhe e depois fiquei cruzando rio de um lado para o outro. Passei pela popa de alguns veleiros que vinham navegando do sul, dei algumas orçadas com as pranchas de windsurf da Raia 1 na Pedra Redonda e depois arribei para o clube com aquela sensação de extrema alegria..
De todos os dias que passei em SC não havia pegado uma condição tão perfeita de vento como a que peguei neste domingo em Porto Alegre.
Até mais...

Por Marcelo Lopes