Contato

instrutor: Capitão Marcelo Visintainer Lopes
fone/whatsapp: (48) 988.11.31.23
escoladevelaoceano@gmail.com

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Atividades dos próximos dias...

No próximo final de semana (27 e 28) inicia os Jogos Radicais de Porto Alegre em Ipanema.
A Escola de Vela Oceano é a responsável pela organização e arbitragem das regatas de Kitesurf e Stand Up Paddle.

No dia 27 inicia o Salão Náutico do Mercosul. Estaremos presentes no evento ministrando o curso de Arrais Amador que ocorre nos dias 29 e 30 de novembro.
O Veleiro Escola ficará atracado no pier do Salão durante o evento e estará aberto para visitação e Experience Sailing (sujeito a alteração de programação devido às condições meteorológicas).

No dia 04 de dezembro inicia mais uma turma do curso de Arrais na Marina da Conga (Motoryama/Escola Oceano).

Nos dias 11 e 12 de dezembro estaremos navegando rumo à Lagoa dos Patos para mais uma edição do  Módulo IV da Iniciação à Vela. O curso é intensivo e tem duração de 22 horas/aula. A saída está marcada para às 8h da manhã do sábado e o retorno para o domingo às 14h.  


Módulo II intensivo

Terminou neste domingo (21) o intensivo de Iniciação à Vela Oceânica - Módulo II (16 horas/aula.
No sábado a navegada iniciou com 10 nós às 9h da manhã e terminou com 22 nós às 17h. Deu para ir até a frente de Belém Novo, com parada para as técnicas de fundeio e almoço na prainha do Tranquilo na Ponta Grossa. Navegamos com as velas novas e o barco andou muito bem. Vela grande rizada na 1ª e única forra e genoa 2 fizeram a melhor combinação para aquelas condições. Depois da Ponta Grossa o vento aumentou um pouco, passando dos 18 para 20 nós com uma onda de menos de meio metro.
O programa do módulo II é focado basicamente nas técnicas avançadas de contra-vento (toque em vento forte, acertos de vela e VMG) e no jaibe. Se no módulo I a cambada é a principal manobra executada e repetida dezenas de vezes, no módulo II a manobra é o jaibe. Foram mais de 40 jaibes ao longo do sábado e domingo. Além desses dois tópicos, a segurança da navegação, as técnicas de fundeio, nós e nomenclatura do módulo também são trabalhadas.
Como o vento esteve presente durante as 16 horas navegadas no sábado e no domingo conseguimos médias de velocidade acima dos 5,5 nós no contra-vento e nos ventos folgados as médias ficaram acima dos 6,5 nós. 
Nesta época do ano e até o final do verão os cursos intensivos são a melhor forma de compôr a exigência pedagógica dos módulos com a disponibilidade de tempo dos alunos, já que os finais de semana na praia começam a concorrer com as aulas de vela. Num final de semana normal, com vento pela manhã e pela tarde é possivel desenvolver um módulo de 16 horas com bastante produtividade. 

Ponta Grossa ao fundo

Bordo em Ipanema (quase na areia) 

Era o dia do Kitesurf em Ipanema (20/24 nós)








Por Marcelo Lopes

sábado, 6 de novembro de 2010

Mais Noronha... Refeno 2010

.













Arrais na Marina da Conga. Fotos do curso de hoje

Arrais na Conga
Aula teórica pela manhã

Práticas no turno da tarde (atracação, desatracação, fundeio e nós)







sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Arrais Amador na Motoryama - Marina da Conga

Inicia amanhã (06) mais uma turma do curso preparatório para a Habilitação de Arrais Amador.
O curso é teórico/prático e é ministrado pela Escola de Vela Oceano em parceria com a Motoryama.

Local: Ilha das Flores - Marina da Conga
Horário: das 9h às 17h
Inscrições: (51) 3406.4000 (Motoryama)
Mais informações: (51) 8482.1584 (Marcelo Lopes)

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Escola de Vela Oceano no Salão Náutico 2010

Pelo 2º ano consecutivo a Escola de Vela Oceano será a responsável pelo curso preparatório para a Habilitação de Arrais Amador no Salão Náutico do Mercosul 2010. 
O curso ocorre nos dias 29 e 30 de novembro das 19h às 23h.
O exame da Marinha é no dia 08 de dezembro.
Serão sorteadas durante o curso 02 vagas para o curso de Mestre Amador.
Inscrições no site oficial do evento: http://www.salaonauticodomercosul.com.br/

Salão Náutico do Mercosul 2009
Curso de Arrais ministrado pela Escola de Vela Oceano

Salão Náutico do Mercosul 2009
Curso de Arrais
Salão Náutico do Mercosul 2009
Curso de Arrais 

Salão Náutico do Mercosul 2009
Curso de Arrais


Salão Náutico do Mercosul - 2010

Divulgação: Salão Náutico do Mercosul

O evento náutico mais glamouroso do Brasil acontecerá de 27 de novembro a 05 de dezembro de 2010.

O salão Náutico do Mercosul está em sua quarta edição e hoje é um evento consolidado no cenário náutico, automotivo e imobiliário, no sul do Brasil. Prêmio Top de Marketing ADVB 2008 e integrante do calendário Oficial da Cidade de Porto Alegre através da Lei Municipal 10.803, de julho de 2009, o projeto encontra-se em pleno ciclo de desenvolvimento. Um ambiente diferenciado, agradável, seguro, exclusivo, propício a realização de negócios e momentos memoráveis de convívio social e descontração às margens do Lago. Uma grande feira náutica, o salão do automóvel e o imóvel show garantem a megaestrutura do evento. Competições esportivas, como Rally Náutico e Regatas de Vela. O Paradouro com alguns dos melhores restaurantes de Porto Alegre, garante ao público uma diversidade gastronômica ímpar. Diante deste cenário e no contexto de um projeto maior de revitalização da Orla do Guaíba, na cidade de Porto Alegre, apresentamos o Projeto Salão Náutico do MERCOSUL.





Site oficial do evento: http://www.salaonauticodomercosul.com.br/

Salão Náutico do Mercosul - CURSO DE ARRAIS AMADOR

II CURSO PREPARATÓRIO PARA A
HABILITAÇÃO DA MARINHA - ARRAIS AMADOR
SALÃO NÁUTICO DO MERCOSUL 2010
Com sorteio de vagas gratuitas para o Curso de Mestre Amador

Divulgação: Salão Náutico do Mercosul

Sobre a Habilitação
Arrais Amador é a habilitação exigida para pilotar embarcações à vela (inclusive windsurf e kitesurf), a remo ou a motor dentro dos limites da navegação de interior de porto, seja ela fluvial (em rios, lagos e represas) ou marítima (baías e enseadas).

Sobre o Exame da Marinha
O exame para a habilitação é composto de uma prova teórica com 40 questões de múltipla escolha, com duração máxima de 02 horas para sua realização.
Estará aprovado o candidato que alcançar um percentual igual ou superior 50%.

Sobre o Curso
Data: dias 29 e 30 de novembro de 2010
Local: Salão de Eventos do Iate Clube Guaíba – Porto Alegre. A 1.000 metros do Paradouro do Salão, rumando para a zona sul.
Endereço: Av. Guaíba 777, passando a nova rótula da Av. Diário de Notícias. Fone: (51) 8482.1584
Horário: das 19h às 23h
Carga horária: 08 horas/aula
Inscrições para o curso: até as 19h do dia 29 de novembro.

Valor do Curso: R$ 150,00 (cento e cinquenta reais)

Inclui-se neste valor: 08 horas-aula, apostila e coffee-break.
Obs.: no valor do curso não está incluída a taxa da Marinha para a realização do exame.

Forma de Pagamento: depósito único em conta bancária.
Banco BANRISUL (041)
Agência: 085
Conta Corrente: 080528370-7
CPF 580.242.630-68.

Marcelo Visintainer Lopes (Escola de Vela Oceano)

A ficha de inscrição deve ser preenchida no site oficial do evento: http://www.salaonauticodomercosul.com.br/
O comprovante de depósito deve ser enviado por e-mail para marcelo@veleiroescolaoceano.com.br ou por FAX para (51) 3340.6057.

Exame na Marinha: quinta-feira dia 08 de dezembro às 20h na Andradas, 386 (POA)

Inscrições para o exame até o dia 1º de dezembro

Documentos necessários para a inscrição do candidato junto à Marinha (deverão ser entregues na Marinha até o dia 1º de dezembro):

- Cópia autenticada de CIC e RG;
- Cópia autenticada do comprovante de residência (documento no nome do candidato). Se não comprovante no próprio nome deverá fazer uma declaração de residência com firma reconhecida em cartório;
- Atestado médico que comprove bom estado de saúde física e mental, incluindo limitações visuais e auditivas, caso existam;
- Ficha cadastral devidamente preenchida (encontra-se disponível no site www.dpc.mar.mil.br – (menu inscrição de amadores - imprimir e preencher);

Obs. o pagamento da taxa de exame (encontra-se disponível no site www.dpc.mar.mil.br (menu inscrição de amadores – imprimir e efetuar o pagamento).

O Candidato deverá portar os seguintes documentos/materiais para a execução da prova:

1) Protocolo da inscrição;
2) Carteira de identidade com foto;
3) Caneta azul ou preta.

Ministrante

Prof. Marcelo Visintainer Lopes – Escola de Vela Oceano

Mais Informações pelo fone (51) 8482.1584 ou pelo e-mail marcelo@veleiroescolaoceano.com.br


*** OS ALUNOS INSCRITOS CONCORRERÃO AO SORTEIO DE DUAS VAGAS GRATUITAS PARA O CURSO DE MESTRE AMADOR DA ESCOLA DE VELA OCEANO ***

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Última parte. Chegada em Vitória

Sem a ajuda do motor e da vela grande, rezava para para que o vento forte da frente não acabasse. Entrar em Vitória sem ele poderia se tornar complicado devido ao enorme trânsito de navios e também às restrições à navegação (pedras).
A frente já durava 30 horas e eu sabia que seu fim estava próximo.

Fotos: André Larréa




Navios e mais navios na entrada da baía de Vitória


Esse aí passou pertinho!



Ponte de Vitória (seu nome é Terceira Ponte e separa Vitória de Vila Velha)

Perto das 5h da manhã navegávamos com vento de 15 nós (quase uma calmaria perto de toda aquela tormenta) e o porto de Tubarão, na entrada da baía de Vitória, estava na distância de 2 milhas. Neste pequeno trecho até o porto o vento foi caindo, caindo, até que caiu para uns 5 nós e o barco parou.
Estávamos na cara do gol e o barco parado. Haviam se passado mais de 30 horas de vento duro e na cara e tudo o que queríamos era chegar de uma vez no Iate Clube.
Decidi subir a vela grande pelo amantilho. Abriguei das ondas na popa de um navio e consegui subir a vela. Teoricamente eu poderia ter feito isto antes ou até mesmo com uma adriça de genoa, passando-a por cima da última cruzeta mas o risco era enorme. Eu mesmo teria que subir no mastro e fazer a manobra. Se alguma coisa errada ocorresse comigo, estaria colocando o barco em risco.
Com a vela grande ajudando a velocidade subia de 1,5 milhas/hora para 3 milhas. A maré estava vazando, porém com pouca força já que a amplitude entre a última vazante e a cheia era de apenas 0,6 metros. Mesmo assim, sua influência era de quase 1 nó contra.
Quando o dia amanheceu, o barco praticamente não rendia para frente. Vários navio estavam entrando e saindo do canal. A navegação se tornara muito delicada.
Lembrei que as lanchas da praticagem tinham como porto de acesso o próprio Iate Clube de Vitória. O trânsito de lanchas levando os práticos é enorme. Esperei a primeira lancha da praticagem passar e fiz contato pelo rádio. O piloto informou que eles não poderiam nos rebocar.
Agradeci e pensei: só nos resta velejar até o clube. Eu mau terminei de agradecer quando fomos chamados pelo rádio pelo serviço de rádio de Vitória. Informaram que poderiam nos ajudar com reboque. Deixei claro que entraríamos à vela caso não conseguisse o reboque. Expliquei que estávamos apenas sem motor e que estávamos cansados depois de 30 horas de frente contra mas que o barco tinha condições de velejar.
A conversa pelo rádio terminara e em poucos minutos ouvíamos um pedido de reboque pelo canal 16, com o apelo de CHAMADA GERAL, CHAMADA GERAL, CHAMADA GERAL. Pedido de reboque para a embarcação Planeta Água. O barco encontra-se nas coordenadas tais. Qualquer barco que puder prestar auxílio.... Ouvimos aquilo e achamos meio sensacionalista demais.
Ninguém passou por nós para dar reboque.
Não demorou muito tempo e recebemos uma nova chamada da rádio perguntando se ninguém havia nos prestado auxílio. Eu disse que não ainda. Aí veio a notícia: vamos ajudar vocês. Vou fazer contato com a Marinha. Pensei rápido: a Marinha não dá reboque, ela faz a salvaguarda da vida humana. Resgata tripulantes e passageiros de barcos que estão em perigo no mar. Ela não dá reboque para barcos que estão sem motor. Esta não é a sua função.
Em minutos a Marinha fez contato.
Disseram que iam nos ajudar, embora eu estranhasse bastante.
Começaram com um pequeno interrogatório para preenchimento de ocorrência. Este durou quase meia hora entre as fonias e as repetições nas escutas não entendidas.
Eu estava louco para dizer que estávamos muito próximos do clube, tamanha a demora no preenchimento da tal da ocorrência. Cheguei a me iludir achando que aquilo tudo ia dar em alguma coisa. Doce ilusão!!!
Terminado o relatório, uma pausa de uns 15 minutos ocorreu até o primeiro chamado. Era a rádio de Vitória novamente informando que a Marinha havia feito contato com eles dizendo que não poderiam nos ajudar. O que? Depois disso tudo ainda mandam dizer por um terceiro que não vão nos ajudar!

Reboque do bote do clube

Chegamos ao trapiche do clube com a ajuda do bote do próprio clube. Ele nos puxou por uns 500 metros.
Havíamos navegado à vela até a entrada do clube, superando todos os navios e obstáculos submersos.
Atracamos no Iate Clube de Vitória por volta das 8h da manhã.

Iate Clube de Vitória

Tripulação na chegada em Vitória

Início das fainas de chegada

Arrumamos o barco e fomos para o banho. Saímos do clube para tomar um café da manhã de padaria (daqueles) e quando retornamos ao clube recebi a informação que a Marinha havia estado lá para realizar uma inspeção naval.
O que? Não nos ajudaram, mandaram dizer por terceiros que não iriam estavam impossibilitados de ajudar e ainda vão fazer uma inspeção naval. Isso é demais! Se alguém me contasse essa história eu acharia que é uma piada. Não era piada não! 
Eu e o Carlos fomos até o aeroporto e no caminho recebi um telefonema da Marinha informando que precisavam realizar uma INSPEÇÃO NAVAL.
Passava das 14h quando recebemos então a “VISITA”. Eram os responsáveis pela inspeção. Cumpriam as normas e estavam a serviço das forças armadas. Começa mais um interrogatório. Onde está isto, cadê aquilo, me apresente tal certificado, queremos ver tal coisa, contem para ver se o número está correto. 
Tentei explicar que o barco recém havia passado pela rígida inspeção da Marinha para a disputa da Regata Internacional Recife/Fernando de Noronha mas de nada adiantou.
Fizeram eu assinar um auto de infração no qual o proprietário teria um prazo de 08 dias para apresentação de defesa. 
A inspeção durou pelo menos umas 2 horas. Quase perdemos a tarde. Havia muita coisa ainda para arrumar no barco antes de partirmos de volta para casa.


Praia de Camburi

Leandro e Carlos conseguiram partir de avião de Vitória.
Eu e o Larréa permanecemos arrumando o bvarco até às 20h, quando fomos jantar e preparar nossa ida para a rodoviária. Tivemos que pegar um ônibus para o Rio de Janeiro. A Webjet não trabalha em Vitória e esta era a minha empresa. Larréa ainda não havia comprado a volta e resolveu ir comigo até o Rio e esticar mais alguns dias por lá.
Quando cheguei em Porto Alegre (dois dias depois) entreguei ao Fernando Maciel, proprietário do Planeta Água, o original do auto de ingfração. Fernando preparou uma defesa e encaminhou para a Capitania dos Portos de Vitória.

Resultado da defesa, após decisão da Capitania dos Portos: não havia nada fora de ordem. Estava tudo correto. A defesa demonstrara o equívoco e a gafe cometida pela Capitania.
A grande maioria das coisas que eles pediram eram equipamentos para embarcações acima de 24 metros de comprimento sendo que o planeta água tem apenas 36 pés (10,97m).
Então: para não dizer que não havia nada de errado e cumprindo as normas: faltou o RIPEAM. Durante a inspeção eu não encontrei o livrinho do RIPEAM. Ele estava a bordo dentro da “pasta verde” no armário do beliche de proa.

Este foi o fim de nossa navegada.
Sempre aprendemos muitas coisas com o mar... Esta viagem, em especial, foi maravilhosa, embora cansativa durante as frentes frias. Tudo foi recompensado pelas lembranças dos finais de tarde, pelos saltos das Jubartes, pela na aproximação dos Golfinhos e, principalmente pela parceria dos tripulantes.
Agradeço aos meus parceiros e amigos tripulantes das duas pernas navegadas: Carlos Fiad, Leandro Ávila, André Larréa, Sandro Ribeiro, Gustavo Verzoni e Marcelo Nunes.

Por Marcelo Lopes