contato

Nossa base é Florianópolis
Tire suas dúvidas com o nosso instrutor:
Zap/fone: 48 988113123
Marcelo Visintainer Lopes
escoladevelaoceano@gmail.com

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Salvador - Vitória. Parte 2

Quando o vento diminui pelo início da tarde pudemos dar uns mergulhos na popa. Notem que cada um está preso a um cabo de segurança e 1 tripulante está a bordo. Estas são as medidas de segurança que devemos tomar antes de dar um banho destes.
A esta altura estávamos a mais de 50 milhas de Abrolhos. O Horizonte começava a mostrar a chegada da frente e começamos a nos preparar para a sua chegada. Como o vento parou em definitivo (pré-requisito para a entrada da frente), seguimos a motor rumo a Abrolhos.

Fotos: André Larréa




O vento forte e contrário a nós chegou no final da tarde e daí em diante fomos obrigados a navegar enfunando (encher a vela de vento) a vela grande junto com o motor. A genoa já estava bem guardada a esta altura.
A noite foi dura. O vento não baixou de 25 nós, com rajadas de até 35.


O pontinho preto é uma Jubarte

Jubarte dando espetáculo

Mesmo durante os ventos duros as baleias insistiam em dar o ar da graça. Para elas lá em baixo está bem tranquilo. Já aqui fora.... A baleia é aquele pontinho preto ao lado do estai de popa.




As condições de mar pioravam devido à aproximação dos baixios de Abrolhos. O mar estva todo desencontrado.
Vínhamos andando 4 nós para a frente e faltavam umas 15 milhas para abrolhos quando o motor parou de empurrar para a frente. Ele parecia não ter mais força e não passava de 2 mil giros. Com as condições atuais de vento significava que teríamos que navegar mais à vela do que com o próprio motor.
Arribei um pouco mais o barco (afastar a proa do vento) e começamos a empreitada de mais umas 6 horas até nossa chegada em Abrolhos.

Abrolhos







Chegamos em Abrolhos por volta da 14h. Nosso tempo na Ilha era para descanso, fotos e alimentação mas como o motor não estava nos ajudando tínhamos a missão de tentar o reparo. Só haviam dois barcos na Ilha, sendo 1 veleiro (Solaris) e o Titan de uma operadora de mergulho de Caravelas.
Como já tínhamos comunicado a pane motor pelo rádio, já estávamos sendo aguardado pelos dois barcos. O veleiro Solaris prontamente ofereceu ferramentas e se colocou à disposição para qualquer ajuda.
Pelo rádio chamamos o Titan e perguntamos se podiam nos ajudar com o Diesel.
O pessoal começou a dar dicas pelo rádio e quando vimos veio um bote até nós com um mecânico de motor de centro. Só haviam dois barcos na Ilha e num deles havia um mecânico. É muita coincidência, não?
Seu apelido era Digão. Ele comandava o barco da operadora. Largou tudo o que estava fazendo (o barco estava lotado de clientes mergulhadores) e veio nos auxiliar. Essas coisas costumam acontecer no mar e contando não se acredita. Digão passou toda a tarde a bordo e fez tudo o que estva ao seu alcançe.
O tanque de diesel estava com mais água salgada do que diesel propriamente dito. Descobrimos que o problema ocorreu no abastecimento em Salvador. Tinha como prova uma bambona amarrada na borda, abastecida no mesmo posto flutuante da BR. Olhamos a bambona e realamente constatamos que havia muito mais água do mar do que diesel na mistura.
Esvaziamos o tanque, esvaziamos os filtros, substituimos todo o diesel do sistema, sangramos a bomba e os bicos injetores e colocamos diesel novo e filtrado cedido pelo Digão. Todo o serviço era feito pelo Digão, eu só o auxiliava quando ele pedia alguma coisa. O cara entendia muito mesmo de motor.
Colocamos o motor para funcionar, levantamos a âncora e fomos dar uma volta com combustível passando por fora da bomba de combustível.
Não resolveu. Digão jogou a toalha após umas 3 horas e disse que teríamos que ir para Caravelas. Lá existe assistência técnica para o motor.
Enquanto isso o Veleiro Solaris fazia contato perguntando como estavam indo as coisas.
Pedimos uma previsão do tempo para eles e nos foi informado da aproximação da segunda frente fria.
Ela já estava próxima a Vitória.
Decidimos partir à vela. Informamos o Solaris que partiríamos em seguida. Agradecemos a ajuda do amigo Digão, secamos a água debaixo dos paineiros e seguimos para Vitória.


Por Marcelo Lopes