Contato

instrutor: Capitão Marcelo Visintainer Lopes
fone/whatsapp: (48) 988.11.31.23
escoladevelaoceano@gmail.com

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Recife - Salvador. Parte 2

Terminado o café da manhã. Louça lavada, barco arrumado, mochilas na proa. Tripulação psicologicamente pronta. Partir..
Ligamos o motor e retiramos o cabo da poita. Esta é a última oportunidade de desistência. Se alguém quiser desistir, que desista agora. Ainda estamos dentro da barra e posso facilmente voltar. Que nada. Todo mundo motivadíssimo para a viagem. Afinal de contas não é todo dia que se tem uma oportunidade destas.
Quando nos aproximamos da barra notamos que algo fechava a saída para o mar. Era um gigante carregado de passageiros. Um navio enorme fazia uma arrojada manobra de ré, sozinho, sem rebocadores.


A boca da barra de Recife é pequena e com molhes de pedra dos dois lados. O navio estava aproado para o vento e manobrando para atracar no terminal de passageiros do porto.
Tivemos que voltar e fazer algumas manobras para matar o tempo. Cambada prá cá, jaibe prá lá, mais uma cambada e deu: a porteira se abriu e conseguimos sair. O mar, contrariava as previsões e estava de sul, bem como o vento. O vento dava no meio da cara e nos forçou a realizar várias cambadas ao longo da navegação.

Saída da Barra de Recife

Saída da Barra de Recife

Normalmente os barcos esperam por frentes de vento a favor mas nossos objetivos eram muito transparentes desde o início. Navegaríamos com qualquer condição de vento e mar (é claro que não é bem assim, pois existe um limite para o barco). Tocamos de contra-vento por 10 horas até a chegada na Ilha de Santo Aleixo, onde descansamos por algumas horas, esperando o vento baixar um pouco.
No caminho, saindo de Recife, podemos contemplar as belezas naturais do litoral. Navegávamos a poucas milhas da costa já que era dia. Deixamos para trás a Praia da Boa Viagem e rumamos para o Cabo de Santo Agostinho, também abrigo de sul. Lá permanecemos por alguns instantes para as fotos. Estávamos a 100 metros da praia e deu para dar um breve descanso.

Praia de Gaibu (Cabo de Santo Agostinho)

Costão da Praia de Gaibu

Praia de Calhetas (Cabo de Santo Agostinho)

Praia de Calhetas (Cabo de Santo Agostinho)
Praia de Calhetas (Cabo de Santo Agostinho)


Eu sabia que dali para a frente as coisas não seriam fáceis. Tínhamos que vender os molhes do Porto de Suape e depois todas as praias a partir do porto até Porto de Galinhas até a chegada à Ilha onde faríamos nosso segundo pit-stop.
Navegamos por mais de 04 horas para percorrer toda a costa  do porto até Porto de Galinhas de Santo Aleixo são aproximadamente 7,5 milhas em linha reta mas como navegávamos de contra-vento, tínhamos uma distãncia maior que o dobro disto para navegar.
Vencemos a ponta de Serrambi que fica logo após Porto de Galinhas e conseguimos chegar à Ilha num só bordo.
A Ilha de Santo Aleixo fica no município de Sirinhaém e oferece um bom abrigo para as condições de leste ao sul.

Ilha de Santo Aleixo

Ilha de Santo Aleixo

Ilha de Santo Aleixo
Ilha de Santo Aleixo
Santo Aleixo é um verdadeiro paraíso de origem vulcânica. As pedras são pretas e polidas.
É uma ilha particular e possui várias enseadas com piscinas naturais.
Alguns pescadores e barcos de passeio fazem o transporte de turistas até o local, partindo da Praia da Barra de Sirinhaém ou da Praia dos Carneiros. De Porto de Galinhas também dá para ir mas o transporte não é tão comum como dos outros dois locais citados.
Às 14h30 já estávamos fundeados ao largo. Demos alguns mergulhos mas a água estava muito turva. Aproveitamos para recarregar as energias, descansar e comer. Permanecemos ali até o início da madrugada do dia 05 de outubro, quando o vento cedeu um pouco e podemos continuar nossa velejada rumo a Salvador...



Por Marcelo Lopes