Contato

instrutor: Capitão Marcelo Visintainer Lopes
fone/whatsapp: (48) 988.11.31.23
escoladevelaoceano@gmail.com

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Navegada Recife - Salvador. Parte 1

Logo após a chegada de Noronha começei a preparar o barco para a perna Recife - Salvador programada para o dia 04 de outubro. Esta primeira etapa teria a bordo 04 alunos da Escola de Vela: Marcelo Nunes, Carlos Fiad, Gustavo Verzoni e Sandro Ribeiro.
No final da tarde do dia 03 todos já estavam à bordo e o barco pronto para navegar.
Fizemos uma pequena confraternização de cock-pit enquanto aguardávamos a chegada da isca artificial, pois sem ela não poderíamos pescar.
Meu plano inicial previa a saída para o mar na 1ª maré cheia do dia 04. Como as previsões indicavam vento sudeste de 12 a 15 nós e mar de 1,5 achei melhor antecipar a saída e partir na maré cheia da noite do dia 03. A razão da antecipação foi muito simples, a ambientação da tripulação ao barco. Decidi pernoitar no PIC (Pernanbuco Iate Clube), pois ele está situado dentro do abrigo da barra de Recife, o que torna as coisas, inicialmente, mais fáceis.
Partimos então. Já passava das 22h quando ligamos o motor e começamos a desatracar o barco.
Sair do Cabanga à noite exige muita atenção, pois qualquer descuido é encalhe certo!
Coloquei na proa aquele que sabia possuir a mais apurada visão noturna. Marcelo Silveira Nunes estava acostumado a navegar comigo à noite. Fez boa parte dos cursos de vela à noite e eu confiava muito na sua visão. Ele enxergava os obstáculos sempre antes dos demais membros da tripulação.

Nunes na observação noturna

Quando os perigos passaram pudemos relaxar um pouco. Fomos então até a praça do Marco Zero de Recife. Este espaço fica na beira do porto e diferente de Porto Alegre e outras capitais, é completamente aberto ao público. De dentro dágua pude mostrar ao pessoal um pouco da arquitetura do Recife antigo. Ficamos pouco tempo navegando ao largo do cais já que havia uma movimentação política de comemoração no local. Palanque, discurso e aquele monte de bandeiras. Ninguém merece!!! Arriba aí e vamos embora...
Retornamos ao PIC à procura de uma poita para passarmos a noite. Lá existem várias poitas onde se pode ficar bem tranquilo. Achamos um bom local e em minutos já estávamos em segurança. Para nossa grata surpresa o raio do discurso acabou e deu início a um show de fogos de artifício, digno de comparações com os festejos de ano novo das grandes capitais. Foram vários minutos de beleza, emoção e alegria, pois nada daquilo estava previsto. Parecíamos crianças diante do Papai Noel! Não estou brincando não. Foi a pura verdade...

Fogos


Voltando ao local do pernoite: o PIC é um belo fundeadouro com abrigo de vento e ondas. Diferente da segurança ao ambiente natural, o local não oferece segurança para os assaltos. O local é famoso pelos assaltos. Os espertalhões chegam de barco, sem fazer muito barulho, e acabam limpando tudo.
Avisei os tripulantes e dois deles permaneceram durante toda a noite no cock-pit. Nunes e Sandro Ribeiro ficaram firmes até o amanhecer. Dormiram é claro, mas permaneceram ali para dar aquela segurança a mais.
Quando amanheceu preparei o café da manhã e em seguida rumamos para a boca da barra.
Vista do Porto de Recife ao amanhecer

Navio de passageiros na boca da Barra de Recife

Por Marcelo Lopes